Alegria sempre em nossos corações . . . Muita Paz Saúde Luz e Amor .... Alegria sempre em nossos corações  Muita Paz Saúde Luz e Amor

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Recordai a Lei da Destruição



Irmãos amados

No éter cósmico, vossos passos são gravados. Cada pensamento que emitis, em conformidade com a Lei ou diferente dela, cada emissão de palavra carregada de intenções, muitas vezes desconhecidas até de vós mesmos, cada atitude perante os desafios que a vida vos apresenta na vossa trajetória, tudo isso permanece registrado, como o rastro da lesma que não pode negar o caminho percorrido.

As dores provocadas regressarão como novas dores a machucar vossos espíritos que, uma vez despertos, as sentirão mais intensamente. Vergonha, medo, dúvida e desânimo abatem todos que enfrentam seus próprios terremotos íntimos, vendo desmoronar o edifício egoístico erigido com tanto esmero e dedicação de milênios.

Contudo, recordai a Lei da Destruição, que indica o necessário desfazimento do velho homem em favor da renovação da alma que animará o novo ser. Ao verdes desmoronarem as construções interiores, às quais acostumastes vos apegar como a imagem de quem sois, recordai essa Lei de Deus que sobre vós é aplicada, elevai ao Mais Alto vossas preces de gratidão e aguardai, confiantes, o brotar da vida plena de amor que está reservada para vós. Regai o novo broto que desponta da semente, rompendo a casca dura, com a água pura do Evangelho de Jesus, para que cresça e floresça perfumando os caminhos e, seus frutos, alimentando os famintos.

Aceitai com humilde resignação a dualidade vibratória do velho que se vai, e do novo que chega para instalar-se, em definitivo, em vossa morada interior. 

Regendo a sinfonia da evolução espiritual, Jesus corrige os acordes, eleva os timbres e ajusta os compassos, para que vossos espíritos vibrem na frequência da Música do Amor Universal.

Paz entre nós.

Ramatis
GESH – 13/02/2015 – Vitória, ES – Brasil
 
VidênciaVi-nos caminhando entre as minas de um campo minado. Vi um corpo de costas e ele ia rachando, à medida que avançava. Desse corpo, pedaços secos como barro iam caindo e, por baixo, um outro corpo, novo, brilhava.