Alegria sempre em nossos corações . . . Muita Paz Saúde Luz e Amor .... Alegria sempre em nossos corações  Muita Paz Saúde Luz e Amor

segunda-feira, 7 de junho de 2010

UM ANJO PROTEGE OS DESTINOS DO BRASIL



 

 
Os Evangelhos estão repletos de alusões a anjos. A Bíblia inteira fala neles. Todas as religiões, de diferentes maneiras, se referem a essas entidades.


O Brasil tem como protetor um anjo chamado Ismael, de tão grande poder e sabedoria que trabalha diretamente com Jesus. À frente da formação e consolidação da nação brasileira, ele conduziu o Descobrimento, a Inconfidência Mineira, a Independência e a Proclamação da República. Quando Tiradentes foi enforcado, a 21 de abril de 1792, no clímax da missão que culminaria, três décadas depois, com a libertação definitiva do Brasil de Portugal, o anjo Ismael pessoalmente o recepcionou no retorno à espiritualidade.


Muito do que sabemos sobre Ismael está contado pelo espírito Humberto de Campos e por Francisco Cândido Xavier no livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, cuja primeira edição saiu em 1938, publicada pela Federação Espírita Brasileira. No episódio relativo a Tiradentes, é relatado que o anjo recebeu nos braços o Mártir da Independência, com estas palavras cheias de carinho:

– Irmão querido, resgatas hoje os delitos cruéis que cometeste quando te ocupavas do nefando mister de inquisidor, nos tempos passados. Redimiste o pretérito obscuro e criminoso com as lágrimas do teu sacrifício em favor da Pátria do Evangelho de Jesus. 


Passarás a ser um símbolo para a posteridade, com o teu heroísmo resignado nos sofrimentos purificadores. Qual novo gênio surges, para espargir bênçãos sobre a terra do Cruzeiro, em todos os séculos do seu futuro.


Humberto de Campos, um dos mais populares escritores brasileiros nas primeiras décadas do século passado, morrendo em 1934, termina aquele livro, elaborado no plano espiritual, prevendo um porvir de liderança fraternal para o Brasil e conclamando:

– Que as falanges de Ismael possam, aliadas a quantos se desvelam pela sua obra divina, reunir o material disperso e que a Pátria do Evangelho mais ascenda e avulte no concerto dos povos, irradiando a paz e a fraternidade que alicerçam, indestrutivelmente, todas as tradições e todas da glórias do Brasil.

Ismael e suas falanges receberam no século XV essa designação de Jesus, segundo consta do Brasil, Coração do Mundo, Patria do Evangelho:

– Ismael, manda o meu coração que doravante sejas o zelador dos patrimônios imortais que constituem a Terra do Cruzeiro. Recebe nos teus braços de trabalhador devotado da minha seara, como a recebi no coração, obedecendo a sagradas inspirações do Nosso Pai. Reúne as incansáveis falanges do Infinito, que cooperam nos ideais sacrossantos da minha doutrina e inicia, desde já, a construção da pátria do meu ensinamento.


E o emissário de Jesus desceu à Terra, onde montou a sua oficina, nela trabalhando até hoje. Complementa Humberto de Campos que primeiramente foram escolhidos os índios, que eram os simples de coração; em segundo lugar, chegariam os sedentos da justiça divina, que eram os escravos, como a expressão dos humildes e dos aflitos, para formação da alma coletiva de um povo bem-aventurado por sua mansidão e fraternidade.


No livro Chico Xavier, Mandato de Amor, da União Espírita Mineira, é descrita a grandeza de Ismael quando perguntaram ao médium de Uberaba se Emmanuel, o extraordinário instrutor espiritual do século XX, tinha contato direto com aquela entidade angelical. A resposta foi positiva. Uma segunda indagação foi feita: como é realizado esse contato por Emmanuel e a resposta veio, curta e direta:

– De joelhos...


Que são os anjos, crença de todos os povos? Não são seres privilegiados na criação, porque na sua justiça perfeita Deus concede a todos os filhos as mesmas oportunidades de crescimento. Todos os espíritos são criados simples e ignorantes, quer dizer, sem conhecimento e sem consciência do bem e do mal, mas aptos a adquirirem por mérito próprio tudo que lhes falta para a perfeição. Muitos anjos, os mais próximos do Pai Celestial, são anteriores à própria humanidade. Os que surgiram dela são almas dos homens que alcançaram o grau de perfeição e gozam assim da plenitude da felicidade. A humanidade não está limitada à Terra, mas ocupa incontáveis esferas que circulam no espaço, já tendo povoado aquelas que desapareceram e estando, com certeza, destinada a povoar as que se formarão.


Em O Céu e o Inferno, Allan Kardec ensina que muito tempo antes que a Terra existisse, por mais antiga que a suponhamos, viveram, em outros mundos, espíritos encarnados que percorreram as mesmas etapas que nós, espíritos mais recentes, desenvolvemos atualmente, e que atingiram seu objetivo antes mesmo que tivéssemos saído das mãos do Criador. Em toda a eternidade houve, portanto, anjos ou espíritos puros. Sua existência humana se perdendo no infinito do passado é, para nós, como se tivessem sempre sido anjos. 

Deus jamais esteve inativo, dispondo sempre de espíritos experimentados e esclarecidos para execução de suas ordens e para direção do Universo inteiro, no governo dos mundos ou na realização dos seus mais íntimos detalhes.